10º FinancIES

Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil

25, 26 e 27 de outubro de 2017
São Paulo/SP

Inscreva-se

Notícias

10º FinancIES discute abertura do mercado de ensino com uso das tecnologias

Os efeitos da abertura do mercado de ensino com uso das tecnologias será debatido pela vice-presidente da Associação Nacional das Universidades Particulares (Anup), Elizabeth Guedes, com os participantes do 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES). O evento acontecerá nos próximos dias 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo, com o tema central “Economia e Academia Colaborativa”.

“O Censo revela, depois de alguns anos de estabilidade, a queda do número de matrículas no ensino 100% presencial. Por outro lado, a restrição de renda 'empurra' mais matrículas para as plataformas de tecnologia. É um movimento sem retorno e que deve ser analisado sob o ponto de vista de seus benefícios aos alunos”, explica Elizabeth.

A vice-presidente da Anup destaca que, atualmente, há desafios em várias frentes, sendo todos relevantes e, alguns, disruptivos. “Na área pedagógica temos que compreender profissões que ainda não existem, buscar de forma incansável a qualidade acadêmica, preparar cursos para um aluno que não conhecemos e que está totalmente conectado às redes sociais, projetar nosso olhar para o futuro da tecnologia que evolui rapidamente e que tem forte impacto sobre a relação de aprendizagem, entre o aluno e a IES. O cuidado e a atenção com o aprendizado são metas constantes. Uma mudança disruptiva virá daqui. E nada será como antes após isto. Temos o eterno desafio do planejamento e da gestão de um setor intensivo em recursos humanos. Capacitação permanente, acompanhamento pedagógico, sensibilização de corpo docente e funcionários que resistem às novas tecnologias são algumas das interfaces relevantes e atuais”, considera.

Já do ponto de vista do mercado, segundo Elizabeth, a competição entre as instituições de ensino cresce vertiginosamente, o que auxilia os alunos, pressionando o valor das mensalidades e trazendo vantagens apenas para quem entrega qualidade acadêmica e empregabilidade profissional. “A gestão financeira tem se tornado cada vez mais complexa. Sem financiamento público, a busca de novas formas de atender à população vulnerável no que se refere à renda é preocupação constante. A evasão, a desistência, a administração do fluxo de caixa, os acordos sindicais desvinculados da realidade econômica do País, tudo é motivo de atenção e planejamento”, avalia ela, que já participou de edições anteriores do FinancIES e destaca que o evento tem importante papel no fortalecimento do grupo e desenvolvimento de novas frentes de atuação. “Há uma forte troca de informações e um real interesse em colaborar. O 'outro' aqui vale muito e é cercado de atenção por todos. Precisamos agradecer o empenho de Adriano e Iram, que nos mantêm unidos durante todo o ano”, considera.

Elizabeth conclui que o Fórum é realmente um “evento único”. “Na realidade não conheço evento como o FinancIES. Geralmente, eles ocorrem, terminam e cada um segue para o seu canto. Aqui no FinancIES, ao contrário, ele não termina. Esgotado o tempo presencial, voltamos às redes sociais onde trocamos informações e conselhos durante todo o ano”, conta.

Dinâmica de grupo do 10º FinancIES aborda “Economia e Academia Corporativa”

“Economia e Academia Corporativa” é o tema da dinâmica de grupo do 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), que reunirá gestores de todo o País nos próximos dias 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo.

A atividade marcada pela interação entre os participantes representa, em todas as edições, um dos pontos altos da programação. “É importante ressaltar que a dinâmica no FinancIES é conhecida como um momento de troca e de construção coletiva. O Fórum propõe que a discussão que já fazemos no âmbito do evento seja construída para perenizar durante todo o ano nas instituições. Quando falamos em economia e academia colaborativa estamos remetendo ao conceito de redes de cooperação. Em uma economia que tanto se fala de colaboração como alternativa para enfrentar momentos de incerteza, não poderíamos deixar de discutir como esta prática pode impactar a indústria da educação superior brasileira”, explica Jeferson Vinhas, vice-reitor do Grupo Unis (MG).

Segundo ele, o mercado do ensino superior caminha em direção a uma concentração ainda maior nos próximos anos, já que mais da metade das IES privadas brasileiras tem porte até 3 mil alunos. “Fatalmente veremos algumas desaparecerem e outras se juntarem em colaboração. A escolha cabe ao mantenedor”, avalia, destacando que os principas desafios das IES estarão concentrados na dicotomia entre a exigência cada vez maior de aumento da qualidade x exigência do mercado por preços menores. “As instituições já sentiram que o ticket médio dos cursos superiores caiu. Em paralelo, a nova regulamentação do MEC fala em bônus regulatório para aquelas IES que apresentarem melhores resultados (CI, IGC, ENADE, etc). Este dilema pode e deve ser enfrentado com a colaboração entre pares”, completa Vinhas.

Na dinâmica de grupo do FinancIES, ele também pretende trabalhar com os conceitos da economia colaborativa naqueles setores que já desenvolveram bem o tema, assim como alguns exemplos ainda incipientes de colaboração na educação superior. “Esta provocação inicial dará respaldo para que as IES presentes elaborem um plano de trabalho de colaboração com outras instituições e comecem, mesmo que de forma gradativa, um processo de estabelecimento de parcerias”, enfatiza.

Vinhas também acrescenta que a dinâmica tem a intenção de colocar a “mão na massa” durante o evento. “Destas discussões já saíram grandes soluções administrativas e financeiras. A ideia é que, uma vez compartilhado os planos de trabalho de colaboração de diferentes grupos, estes possam ser efetivamente colocados em funcionamento e, quem sabe, criar um novo modelo de negócios para a educação superior privada”, diz, completando que diferentemente de outros eventos da educação superior, o FinancIES é feito por pares - executivos financeiros de IES privadas. “Isso representa um grande diferencial, uma vez que realidades e objetivos comuns levam pessoas de diferentes realidades a constituírem uma educação superior melhor”, conclui.

10º FinancIES mostra modelos inovadores para a educação superior

Discutir as ações adotadas pelas instituições de ensino superior em busca de inovação e apresentar o modelo da Universidade Braz Cubas (UBC), em Mogi das Cruzes, são os principais objetivos da palestra “Transformando a Educação: Modelos Inovadores para a Educação Superior”, sob o comando de José Maria da Silva Junior, gerente de Novos Projetos da Sociedade Educacional Braz Cubas Ltda. - mantenedora da UBC - e José Luiz Andrade Duizith, COO da UBC, na 10ª edição do Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES).

O evento já tradicional na agenda dos gestores educacionais de todo o País será realizado de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo, com o tema central “Economia e Academia Colaborativa”.

“Vamos mostrar o modelo Braz Cubas, que tem características próprias que podem ser vistas como um ponto de partida para uma educação superior profissionalizante diferenciada. Ao mesmo tempo, queremos discutir os impactos financeiros da implantação desse novo modelo, e como adequá-lo à realidade das instituições interessadas”, explica José Maria da Silva Junior.

Segundo ele, o principal desafio é encontrar um modelo que seja atraente ao novo perfil dos alunos que ingressam em uma instituição de ensino superior. “Cada vez mais se percebe que os modelos atuais não são atraentes e não têm os mesmos resultados que apresentavam há 20, 30 anos. É preciso inovar na sala de aula, nos processos de avaliação, nas metodologias e, principalmente, nas ferramentas que possam dar a certeza de que o processo valoriza o aprendizado. Porém, essa inovação deve ser acompanhada de uma política institucional capaz de avaliar os custos, para uma adequada gestão das questões financeiras”, avalia.

Ainda na opinião do gerente de Novos Projetos da UBC, a maior contribuição que o evento pode dar às instituições participantes é mostrar o que está sendo implantado em cada uma delas e que pode servir de modelo para que as outras consigam se adequar à sua realidade. “Trata-se, portanto, de um encontro de líderes financeiros das maiores instituições de ensino do País, que discutem, apresentam soluções e integram modelos e formatos que possam ser úteis para o crescimento do segmento. Este Fórum é uma demonstração evidente de que neste meio há diversas instituições com dificuldades iguais e o compartilhamento das soluções pode contribuir para a melhoria da qualidade do ensino, proporcionando maior desempenho em termos de gestão financeira das instituições”, completa Silva Junior.

10º FinancIES discute financiamento da inovação acadêmica

A atuação da Finep - agência pública de inteligência vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) -, os fatores para tomada de decisões, a taxa de juros e os prazos de carência e amortização serão o tema central da palestra comandada por seu diretor de Inovação, Victor Hugo Gomes Odorcyk, no 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES).

O evento acontecerá de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo.

O diretor da Finep - agência que visa promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil por meio do fomento público à ciência, tecnologia e inovação em empresas, universidades e outras instituições públicas ou privadas - vai destacar, em sua palestra, os principais desafios das IES. “A preocupação está na preservação e aumento das matrículas, pois vivemos uma grande crise econômica e política cujo desfecho é uma incógnita. Pretendo abordar a discussão interna para uma ação estruturada com foco nas Instituições de Ensino Superior Privadas”, explica Odorcyk.

O palestrante também destaca a importância do FinancIES para os gestores financeiros de IES de todo o País que, anualmente, já têm o evento como tradicional na agenda. “Entendo que a troca de experiências é sempre muito produtiva”, avalia o diretor da Finep.

Em sua décima edição, o Fórum tem como tema central “Economia e Academia Colaborativa”. Os interessados em participar ou patrocinar o FinancIES devem acessar o site, que disponibiliza a programação completa do evento.

As palestras, dinâmica de grupo, apresentação de cases de sucesso e discussões estão agendadas para os dois primeiros dias do evento, 25 e 26 de outubro, na FECAP. Já o dia 27 contará com atividades culturais na Capital Paulista.

QH Consult destaca importância do 10º FinancIES para novos negócios

A ampla visibilidade garantida pelo Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do País (FinancIES), a oportunidade de divulgação de produtos e serviços diretamente ao público-alvo e a geração de novos negócios são destacadas pelos patrocinadores e apoiadores do evento anual, que já virou tradição na agenda dos gestores de IES de todo o País.

A décima edição, marcada para 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), no Bairro da Liberdade, na Capital Paulista, terá como tema central “Economia e Academia Colaborativa”. As vagas são limitadas.

Segundo Mauricio Raimondi Della Gatta, diretor da QH Consult, um dos patrocinadores do 10º Financies, o evento trouxe ao mercado de financistas na área da educação um novo propósito de fórum, desde sua primeira edição. “A programação tem cenários focados na área financeira com trocas de informações e de realidade transformadora e com muito conteúdo, que nos motiva a patrocinar um evento com tamanha credibilidade e visibilidade. Todas as edições que participamos do evento foram bem-sucedidas, seja no fechamento de novos contratos, na manutenção dos existentes ou de forma institucional. Além de prestigiar a 10ª edição, vamos contatar IES para apresentar nossos serviços, com visibilidade institucional”, destaca Della Gata.

Cobrafix aposta em novas parcerias no 10º FinancIES

Patrocinadora do Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), a Cobrafix destaca que o evento é o mais esperado do ano. A empresa marcará presença na 10ª edição, marcada para o período de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), no Bairro da Liberdade, na Capital Paulista. As vagas são limitadas.

Com o tema central “Economia e Academia Colaborativa”, a programação abordará redes de comunicação aberta entre as instituições de ensino superior (IES), FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) multicedente não padronizado, cooperativas de crédito e consumo dos profissionais da educação, rede de compras setorial, compartilhamento de conteúdos e plataformas educacionais. Também serão discutidas a atuação das FINTECHs - empresas de tecnologia financeira - na captação de recursos como alternativa aos bancos tradicionais e a terceirização das atividades fim, ou seja, na sala de aula.

Na avaliação do diretor executivo da Cobrafix, Caio Vinícius Raya, o evento é uma oportunidade de reencontrar vários clientes e conhecer novos possíveis parceiros. “Além disso, lançamos o que a empresa vem criando de soluções inovadoras para esse mercado de educação. O retorno sempre é satisfatório e a expectativa para esta edição também é fechar negócios e impressionar as Instituições de Ensino Superior do Brasil”, explica Raya.

Seguridade atesta crescimento do FinancIES a cada edição

Patrocinadora do Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil desde a primeira edição, a Seguridade Serviços de Segurança Ltda. avalia que o evento é o mais importante da área educacional do País. Neste ano, a empresa também marcará presença no evento que acontecerá de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), com o tema “Economia e Academia Colaborativa”.

"Estamos indo para a décima edição e isso atesta nossa valorização ao Fórum, que nos possibilita ter contato com as maiores e mais importantes Instituições de Ensino do Brasil e o que mais interessa, com os executivos que decidem”, destaca Pedro Ambrósio, presidente do Grupo Seguridade.

A exemplo de todos os anos, a empresa especializada em segurança privada, limpeza, conservação, terceirização, portaria remota, serviços de Recursos Humanos e corretora de seguros, estará com um estande para disbribuição de materiais promocionais e brindes, além de uma equipe de executivos para fornecer informações ao público.

“Como especialistas em Vigilância e Limpeza para Instituições de Ensino, o evento nos possibilita contato direto com clientes potenciais. O FinancIES tem uma história de crescimento constante e, edição pós edição, isso é exponencial e nos proporciona contatos de negócios excelentes”, completa o presidente do Grupo Seguridade.

10º FinancIES revela número e perspectivas da Educação Superior

Os números e perspectivas da Educação Superior brasileira serão apresentados pelo consultor associado nas áreas de Estratégia e Mercado da Hoper Consultoria, Tarcísio Manso Villela, aos participantes do 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), que acontecerá de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo. O evento, com o tema central “Economia e Academia Colaborativa”, reunirá gestores da área educacional de todo o País.As vagas são limitadas.

Em sua palestra, Villela também vai abordar o desafio de encontrar o equilíbrio econômico-financeiro diante da redução do número de matriculados no Ensino Superior Privado. “É indiscutível que o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil) trouxe um enorme contingente de alunos que não teriam como estar cursando o ensino superior, e as estruturas foram dimensionadas para esse atendimento, como a contratação de pessoal técnico-administrativo, docentes, mas também gerou questões mais difíceis de serem equacionadas, como a infraestrutura predial, ativo imobilizado de baixa liquidez. No mesmo sentido, como houve uma significativa profissionalização nas IES de maneira geral, a briga por market share está mais acirrada e a disputa mais qualificada. A conjunção desses dois fatores me parece englobar a maior parte das preocupações e desafios do setor de ensino superior privado”, destaca o consultor, que pretende trazer uma visão dos números que embasam essas afirmativas e discutir problemas comuns às IES.

A melhoria nas práticas de gestão nos últimos anos também será abordada por Villela. “Para se ter uma ideia, na abertura de capital de grandes grupos como Kroton e Anhanguera, apenas como exemplo, a expectativa era de se atingir, ao longo dos anos, margens ebitda de 25%. No último dia 11, a Kroton divulgou que seu ebitda no 2º trimestre de 2017 foi de 42,2%, uma redução de 5,2% em relação ao mesmo número no ano anterior. Ou seja, as metas foram atingidas e superadas com larga margem. Eventos como o FinancIES são fundamentais como foro para discussão e análise da gestão financeira e das melhores práticas adotadas entre as IES”, avalia.

Ainda segundo o palestrante, hoje, a educação continuada não é mais fonte de vantagem competitiva, mas sim condição para sobrevivência. “Eventos como esse permitem uma troca de intercâmbio intensa e profundo aprendizado para os gestores financeiros ou não das IES. A tendência é que tenhamos cada vez mais encontros como esse, que possibilitam aprendizado e troca de experiência entre os principais atores do setor”, conclui Villela.

10º FinancIES ensina a desenvolver potenciais

Em sua palestra intitulada “Plenitude”, ele defenderá que para que a economia seja colaborativa, é preciso desenvolver os potenciais integrais. “As posturas mais primitivas são defensivas e centralizadoras. Já aquelas mais evoluídas são desprendidas e acolhedoras. Enquanto não houver um amadurecimento dos jogadores não devemos esperar grandes mudanças no jogo”, explica Meira.

Na opinião do palestrante, os desafios são muitos, mas as Instituições de Ensino Superior (IES) precisam fazer grandes avanços, oferecendo ao aluno uma posição de maior protagonismo em seu processo de aprendizagem. “Isso sem perder de vista a sua formação integral continuada. Não podemos nos eximir da responsabilidade de contribuir para que o aluno saia melhor do que entrou, como profissional e como pessoa”, completa, destacando que também vai abordar a inversão da fórmula do capitalismo. “É preciso sair do modelo de treinamento a serviço do capital e passar para o modelo capital a serviço do desenvolvimento humano”, orienta.

Meira já participou do FinancIES e avalia que o Fórum contribui de múltiplas formas com o trabalho diário dos participantes em suas instituições de ensino. “Os representantes das IES se atualizam e trocam informações e conhecimentos preciosos entre si. Eventos como o FinancIES funcionam como uma bússola para a sociedade”, conclui.

Nikkey Palace Hotel tem tarifas especiais para participantes do 10º FinancIES

Os participantes do 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES) contam com tarifas especiais no Nikkey Palace Hotel, localizado em uma das principais ruas do Bairro Liberdade, na Capital Paulista e a 700 metros da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), que sediará o evento. De 25 a 27 de outubro estarão reunidos gestores financeiros da educação superior privada de vários estados do País, envolvidos em discussões técnicas sobre gestão, estratégias para os desafios comuns da atualidade e oportunidades de negócios. O tema central desta edição é “Economia e Academia Colaborativa”.

Em atividade há 30 anos, o Nikkey Palace Hotel oferece ao hóspede, seja para momentos de trabalho ou lazer, o conforto e a hospitalidade em uma localização privilégiada, próximo ao Centro de São Paulo, da Avenida Paulista e das estações de metrô São Joaquim e Liberdade. Além disso, o bairro Liberdade é conhecido como o maior reduto da comunidade japonesa fora do Japão e por atrair diversas pessoas e turistas que apreciam a cultura japonesa.

No hotel, são 99 apartamentos - 80% com banheiras (americana/ôfuro) - e três modalidades de quartos para hospedagens: luxo, suíte e suíte presidencial, além dos conjugados e adaptados. “Nossas acomodações são amplas, com metragens diferenciadas. Disponibilizamos room service e serviço de lavanderia e temos o andar Bem Estar, com produtos Invel. O Nikkey Restaurante, no primeiro subsolo do hotel e aberto ao público diariamente, oferece as três refeições diárias, café da manhã, almoço e jantar”, destaca Fernanda Komatsu, do Departamento Comercial do hotel.

. Há dois tipos de café da manhã, o continental e o oriental. No almoço são três modalidades: sistema self-service, rodízio e à la carte, com pratos típicos orientais e brasileiros a preços acessíveis. No jantar, o hotel oferece as opções à la carte e rodízio. “A decoração do restaurante é tipicamente oriental, com luminárias, jardim e salas de tatame japonesas (ozashikis). Já no piso térreo, fica o bar Sakeria com karaokê e no segundo subsolo, umas das mais tradicionais saunas masculinas de São Paulo. Possuímos centro de convenções com infraestrutura para grandes eventos empresariais, como congressos, seminários coquetéis ou jantares e disponibilizamos atendimento bilíngue japonês e inglês”, completa Fernanda.

O hotel, classificado na categoria quatro estrelas, fica na Rua Galvão Bueno, 425, no Bairro Liberdade, em São Paulo. Mais informações pelo telefone 3207-8511 ou no site www.nikkeyhotel.com.br .

10º FinancIES aborda ferramenta de gestão baseada em valor

O monitoramento de desempenho com vistas à gestão baseada em valor será abordado pelo reitor da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Edison Simoni da Silva, durante o 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), em São Paulo. Este ano, o tema central é “Economia e Academia Colaborativa”.

“Pretendo abordar o tema do monitoramento de desempenho com vistas à gestão baseada em valor. São ferramentas certamente úteis para as instituições com fins lucrativos. Mas podem colaborar, também, para as demais, sem fins lucrativos, preocupadas com a preservação do patrimônio e a longevidade da instituição”, explica o reitor da instituição anfitriã do evento.

“O FinancIES é o único Fórum de Finanças voltado exclusivamente para o ensino superior. O setor requer maior nível de profissionalização em todas as frentes, dado o aumento brutal da concorrência desde a abertura de mercado trazida pela Leis de Diretrizes e Bases de 1996. E o FinancIES tem colaborado com as instituições e profissionais com excelente programação, ótima organização e possibilidade de troca de informações. Para a nossa escola, focada em gestão e economia, é uma honra colaborar com a iniciativa”, destaca Silva.

O reitor avalia os principais desafios do ensino superior. “O setor apresentou forte crescimento em função das excelentes, mas insustentáveis condições do Fies (Programa de Financiamento Estudantil). Com a redução do programa, certamente uma fonte de preocupação e um desafio para as escolas é a criação de fontes adequadas de financiamento, de forma a permitir a continuidade da inclusão das camadas mais carentes da população no ensino superior, bem como que a classe média acesse cursos que exigem mais investimento e, por consequência, maior comprometimento da renda. Mecanismos adequados de financiamento favorecem uma escolha mais vocacionada, colaborando para reduzir a evasão, outro ponto de preocupação e desafio para as instituições”, avalia.

Ainda segundo o reitor da FECAP, outro desafio das IES é o aumento do nível de eficiência devido às condições menos favoráveis do setor. “Em momentos de crise, o foco na gestão de custos tende a aumentar”, lembra Silva, destacando que o Fórum leva informações úteis a todos e que custariam muito caro para uma instituição obter isoladamente. “Permite também o desenvolvimento técnico dos profissionais da área. Adicionalmente, a rede de relacionamentos criada pode aumentar o nível de confiança entre as instituições e profissionais, permitindo o desenvolvimento de projetos colaborativos que aumentem a eficiência das instituições”, considera Silva.

Na opinião do reitor, uma fonte importante de agregação de valor pelas organizações vem do conhecimento de seus profissionais e o FinancIES propicia o desenvolvimento dos executivos do setor. “Algo importante sobre o Fórum, e que poderia inspirar profissionais de outras áreas funcionais, é o fato de ser realizado pelos e para os executivos financeiros. Assim, tem uma abordagem bastante pragmática, atacando frontalmente as preocupações e desafios dos profissionais, complementando a formação básica, acadêmica, que todos nós devemos ter”, conclui Silva.

Alves Benedito Advogados aposta no 10º FinancIES

Patrocinador do Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), o escritório Aves Benedito Advogados destaca a importância do evento. A empresa marcará presença na 10ª edição, que acontecerá de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), no Bairro da Liberdade, na Capital Paulista. O tema central é “Economia e Academia Colaborativa”.

“O FinancIES já está consolidado como um grande evento voltado para as Instituições de Ensino Superior. Isso possibilita contato direto com pessoas de variadas áreas”, avalia Irene Alves dos Santos, sócia-fundadora do escritório de advocacia em atividade desde 2009 e com atuação voltada ao mercado empresarial, nas áreas envolvendo questões tributárias, societárias, cíveis e imobiliárias.

“Durante o evento, mantemos contato com vários participantes e ficamos à disposição para esclarecimentos. A presença no FinancIES garante ao Alves Benedito advogados visibilidade nacional e nos consolida como referência na prestação de serviços advocatícios para Instituições de Ensino Superior (IES). Como nos anos anteriores, nossa expectativa é que seja um evento muito produtivo e com geração de networking”, aposta Irene.

10º FinancIES revela futuro do financiamento estudantil

Uma visão local e global do futuro do financiamento estudantil será apresentada aos participantes do 10º Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), pelo sócio-fundador da Geo Capital - gestora de recursos focada em global equities -, Oliver Mizne, no próximo dia 26 de outubro. Neste ano, o evento já tradicional na agenda dos gestores educacionais de todo o País será realizado de 25 a 27 de outubro, na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), em São Paulo, com o tema central “Economia e Academia Colaborativa”.

“Com foco principal no Brasil, falarei sobre as semelhanças e diferenças entre o mercado de financiamento estudantil americano e o brasileiro. Avaliando o tamanho, indicadores e modelos de sucesso em ambos os cenários, a apresentação oferecerá aos congressistas mais uma oportunidade de discutir as necessidades do mercado atual e as movimentações do governo, IES e instituições financeiras. Apresentarei a visão da Ideal Invest quanto às tendências para o mercado nacional”, explicou Mizne.

Segundo o sócio-fundador da Geo Capital, diante do cenário econômico do País, um dos grandes desafios das Instituições de Ensino Superior é conseguir administrar a captação e retenção de alunos, além de, principalmente, gerir a inadimplência. “Na palestra, também vou mostrar as soluções de financiamento estudantil mais adequadas para o cenário atual e alternativas de complementariedade entre IES, Governo e instituições financeiras privadas”, acrescenta Mizne, destacando que a Ideal Invest participa ininterruptamente do FinancIES desde sua primeira edição. Na avaliação do profissional, o evento capacita os gestores financeiros com a visão e percepção de quem mais entende deste assunto, os próprios executivos financeiros. “O FinancIES é uma excelente oportunidade para que os profissionais não apenas se atualizem sobre o cenário e soluções disponíveis, como também, e principalmente, possam criar parcerias estratégicas e trocar experiência com gestores de instituições que consideram benchmarks”, conclui Mizne.

São Paulo sediará o principal evento educacional do País

Gestores financeiros da educação superior privada, um dos principais setores da economia brasileira - que movimenta mais de R$ 54 bilhões ao ano -, estarão reunidos de 25 a 27 de outubro, em São Paulo, para a décima edição do principal evento educacional do Brasil. Polo gerador de discussões técnicas de gestão, de estratégias para os desafios comuns da atualidade e de oportunidades de negócios, o Fórum dos Executivos Financeiros para as Instituições de Ensino Privadas do Brasil (FinancIES), exemplo de sucesso compartilhado, terá como tema central “Economia e Academia Colaborativa”. As vagas são limitadas.

A programação, que acontecerá na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), no Bairro da Liberdade, na Capital Paulista, abordará redes de comunicação aberta entre as instituições de ensino superior (IES), FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) multi-cedente não padronizado, cooperativas de crédito e consumo dos profissionais da educação, rede de compras setorial, compartilhamento de conteúdos e plataformas educacionais. O Fórum também vai abordar a atuação das FINTECHs - empresas de tecnologia financeira - na captação de recursos como alternativa aos bancos tradicionais e a terceirização das atividades fim, ou seja, na sala de aula.

“As mais diversas redes fazem parte da vida das pessoas desde sempre, potencializadas na última década pelas redes sociais da internet. No passado não tão distante, o melhor modelo é a cooperativa, que continua atuante. Hoje cooperação, colaboração ou compartilhamento estão inseridos na sociedade contemporânea com maior expressão. Captação de recursos via Crowdfunding, ambientes de trabalho Coworking, compras coletivas pela internet, pesquisas compartilhadas por doutores no mundo inteiro, publicações de obras por diversos autores geograficamente distantes são exemplos”, explica o vice-presidente do FinancIES e diretor financeiro da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), Adriano Dias Souza.

Melhoria na qualidade, maiores eficiência e velocidade, ganhos de escala e outras vantagens são destacadas no comportamento e cultura compartilhada. “Descobriu-se que em vez de concorrentes, há uma infinidade de potenciais parceiros estratégicos. Este é um hábito que veio para ficar, tende a aumentar e muito pode ser explorado pelas instituições educacionais na gestão e na academia”, avalia Souza.

Desta forma, em constante aperfeiçoamento e atualização, a educação superior busca parceiros que ajudem na entrega do ensino de qualidade, por isso, o Fórum se consolida como vitrine, já que praticamente todas as empresas participantes fazem negócios durante o evento. “O FinancIES, para as IES, é como uma certificadora de qualidade. Quem participa é porque acredita no potencial de soluções. O público é formado por executivos financeiros, reitores, pró-reitores, presidentes, vice-presidentes e outros gestores das organizações educacionais. E a dinâmica do evento propicia ampla interrelação entre patrocinador e participante, por isso a importância da parceria”, enfatiza Souza, concluindo que o FinancIES é, acima de tudo, uma confraria em prol da melhoria crescente da qualidade na educação de Norte a Sul do País.

Um dos pontos altos da programação comemorativa aos 10 anos do Fórum é a atuação dos executivos nos grupos de trabalho. “Eles não vão somente ouvir palestras. Participam de mais de 20 horas de um evento que, eu sua essência, é extremamente colaborativo. No formato do FinancIES, a rede e relações se fortalecem. Somos mais de 1.400 executivos das IES privadas que participam deste grupo ativo durante todo o ano”, explica o presidente do Fórum e membro do Conselho Consultivo da Universidade Braz Cubas (UBC), Iram Alves dos Santos, destacando que o número de participantes aumenta a cada edição. A expectativa do 10º Fórum é reunir cerca de 220 executivos de IES de todas as regiões do Brasil. “Todos os anos os participantes saem do FinancIES com um conjunto de informações, ferramentas, relações e potenciais fornecedores para realizarem o melhor em suas instituições de ensino. Estamos na vanguarda. O tema é presente na vida das pessoas, como também na academia. Colaboração é potencial de realização de negócios e oportunidades”, avalia Santos.

Patrocinadores

Alves Benedito Advogados
Caminhos
Cobrafix Cobranças Educacionais
Creduc
DDM Cobrança Educacional
Educa+ Brasil
Fundacred
Hoper Educação
J. A. Rezende
Mannesoft
PraValer Crédito Universitário
QH Consult
Seguridade Gestão Profissional de Serviços
Soluções Projetos Especiais

Apoiadores

ABMES - Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior
ABRUC - Associação Brasileira das Universidades Comunitárias
ACAFE - Associação Catarinense das Fundações Educacionais
AMPESC - A Associação de Mantenedoras Particulares de Educação Superior de Santa Catarina
Anaceu - Associação Nacional dos Centros Universitários
ANEC - Associação Nacional de Educação Católica do Brasil
ANUP - Associação Nacional das Universidades Particulares
CRUB - Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras
FENEP - Federação Nacional das Escolas Particulares
FINEP
Governo do Estado de São Paulo
SEMERJ - Sindicato das Entidades Mantenedoras dos Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado do Rio de Janeiro
SEMESG - Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Educação Superior do Estado de Goiás
SEMESP - Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo
SINEPE/SC -  Sindicato das Escolas Particulares do Estado de Santa Catarina

Instituição Anfitriã

FECAP

Realização

Matiz Capacitação para Resultado